4 de maio de 2009

Não abro mão


Sempre que posso fico comigo mesma e gosto disso. Posso sentir meu coração bater, até me peguei tentando me entender, pode? Eu que não sou fácil de ser. Mesmo sendo extrovertida, sou tímida certas horas, tenho muito de sanguíneo, arrasto um pouco do colérico, e o melancólico se afasta de mim quase sempre. Não sou do tipo que faz tipo. Sou tão direta que quase me acerto. Mas gosto de ouvir as pessoas e também o silêncio, aquele silêncio interior, sabe? E quando isso acontece. Ah... fico um tanto quanto sem razão. Será que um dia eu vou entender meus motivos? Essas coisas do coração que me deixa sonhando acordada, com 'cara' de boba. E me faz trazer o mundo na palma da mão em um segundo e me transfere ao mundo da imaginação. Não sei se um dia entenderei. Mas uma coisa eu sei:

Não deixarei de sonhar, isso eu não abro mão... É tão bom!



NiL Almeida